Skip to content

Colônia do Sacramento: um roteiro pela romântica cidade

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Dicas de Colônia do Sacramento: como chegar, sobre e por que ir, o que fazer, se vale o pernoite, onde ficar, onde comer e outras dicas práticas.

Estive em Colônia do Sacramento, ou Colonia del Sacramento, no idioma original, em maio de 2018. Fiquei 2 dias por lá, partindo de Buenos Aires. Antes de mais nada, eu adoro uma cidade histórica. Nesse sentido, Colônia me surpreendeu positivamente, tanto pela sua beleza, charme, tranquilidade e romantismo (ok, eu estava em lua de mel, mas é verdade hehe), tanto por bons restaurantes, além de um pôr do Sol para lá de lindo. Assim, compartilho aqui as dicas do roteiro e sobre o que fazer em Colônia do Sacramento e mais: como chegar, sobre e por que ir, se vale o pernoite, onde ficar, onde comer e outras sugestões práticas.

Aliás, falando no lado romântico da cidade, muito tem se citado esta característica dela, que vem, até mesmo, sendo considerada a “capital” de algo similar a uma “Rota Romântica do Rio da Prata”. Parece um roteiro interessante, né.

COMO CHEGAR EM COLÔNIA DO SACRAMENTO

Fomos de Buenos Aires e pegamos o Buquebus, ao lado do canto norte do Puerto Madero, em uma viagem levou um pouco mais de 1 hora. A saber: já tinha comprado a passagem com antecedência, pelo site. Nesse sentido, vale conferir direitinho os horários, uma vez que algumas rotas são mais demoradas, bem como chegar com antecedência para o check in.

Muita gente faz Colônia como pit stop entre Buenos Aires e Montevidéu. Nesse caso, a partir da capital uruguaia, se não estiver de carro, o percurso pode ser feito de ônibus pela empresa COT.

SOBRE E POR QUE IR

Patrimônio da UNESCO, a cidade colonial, fundada por Portugal, no século 17, conserva ruas de pedra, ruínas e casas históricas, com o Rio da Prata a sua frente. Assim, visitar Colônia é fazer uma viagem ao passado. A cidade, apesar de muito turística, conserva o ritmo de cidade do interior e uma atmosfera romântica.

Por ter sido a única cidade portuguesa do Uruguai, foi alvo de disputa entre Espanha e Portugal por muitos anos. Por esta razão, podemos contemplar a influência dos dois países pelas suas ruas, hoje repletas de bares, restaurantes, lojas de artesanatos, sorveterias e café charmosos.

O QUE FAZER EM COLÔNIA DO SACRAMENTO: ROTEIRO

O CENTRO HISTÓRICO

Certamente, a graça de Colônia está em seu centro histórico, atração por si só. Em outras palavras, em caminhar lentamente por ele, fotografar, ver o Sol se pôr no horizonte do Rio da Prata, petiscar e beber algo no fim do dia. Ou seja, a boa é andar sem pressa, passando pelas ruelas, praças, farol, igreja, ruínas, muralha, casarios, píer e Rio.

No entanto, deixa eu detalhar um pouco mais o que vimos, para você não perder nadinha:

Logo na entrada do centro histórico está a Basílica Del Santíssimo Sacramento, considerada a igreja mais antiga do Uruguai, após diversas restaurações da construção original, datada do século 17. A igreja fica na lateral da Praça de Armas, um local tranquilo onde também se se encontram as ruínas da Casa dos Governadores Portugueses, escavadas na década de 1970. 

Bem perto, fica a famosa e movimentada Plaza Mayor, a principal da cidade e coração do centro histórico, cercada de restaurantes e edifícios históricos importantes. 

Por ali, aproveite para fazer um breve desvio e ver o Portón de Campo, o portal da cidade que conserva restos da antiga muralha que existia em Colônia desde séculos atrás. 

Aliás, não deixe de caminhar pela emblemática Calle de los Suspiros, a rua mais antiga – e possivelmente a mais famosa – de Colônia do Sacramento, que ainda conserva as pedras portuguesas de seu pavimento original. 

Voltando à praça, você logo verá o farol da cidade, que possui 34 metros de altura e mais de 150 anos de história. É possível subir nele, se estiver disposto a encarar os mais de 100 degraus. Juntamente a ele, estão as ruínas do Convento de San Francisco, construído durante o século 17, e que, devido ao incêndio que no final do século 18, manteve apenas suas ruínas.

A ORLA DO CENTRO HISTÓRICO

Já para ver o sol brilhando com o Rio da Prata ao fundo, a boa é caminhar pela charmosa orla murada de Colônia até o agradável Paseo San Gabriel. Seguindo, não deixe de passear pela Ponte de Iates e pelo píer Muelle 1866, com seus iates e veleiros ao fundo, excelentes para apreciar a paisagem com o rio e a cidade, excelente para contemplar o fim do dia.

Passear na orla do Rio da Prata: dica sobre o que fazer em Colônia do Sacramento
Orla do Rio da Prata com muros brancos, em Colônia do Sacramento, Uruguai

CENTRINHO COMERCIAL

Por fim, saindo do centro histórico, está o centro comercial da parte antiga da cidade, na arborizada Avenida General Flores.

Comércio em Colônia do Sacramento: dica sobre o que fazer
Comércio em Colônia do Sacramento, no Uruguai

MUSEUS

Sobre os museus da cidade: eu não entrei em nenhum, entretanto tem alguns que parecem interessantes. Ainda mais que, adquirindo apenas um ingresso pode-se visitar todos eles. Por exemplo, alguns deles são o Museu Português, O Museu do Azulejo e o Museu de Coleções Granja Arenas (este fica mais afastado).

QUANTO TEMPO – VALE O PERNOITE?

O pequeno centro histórico da cidade é perfeitamente visitável em algumas poucas horas (fora os museus). No entanto, optamos pelo pernoite, pois estávamos na vibe slow trip. Achei que Colônia não combina com pressa. Nessa linha, apreciar o pôr do sol – incrível, por sinal -, ver a cidade iluminada, fazer um jantar romântico e curtir a cidade mais vazia, sem tantos turistas, fez toda a diferença! Em resumo, eu achei que valeu muito a pena dormir lá, para se encantar com a cidade e viver todo o seu romantismo, ainda que, analisando objetivamente, não seja imperdível.

Porém, quem optar por pernoitar deve saber que, à noite, Colônia fica bem menos movimentada. Fora não ser “necessário” em termos de pontos turísticos. Definitivamente, é para quem busca charme e tranquilidade, calmaria mesmo. Em tempo: não há a agitação de outras cidades coloniais, como Cartagena e Ouro Preto.

Colônia do Sacramento à noite: vale o pernoite
Centro Histórico de Colônia do Sacramento à noite

ONDE FICAR EM COLÔNIA DO SACRAMENTO

Resumindo, sobre onde ficar em Colônia do Sacramento, a localização perfeita é dentro centro histórico ou o mais próximo possível dele.  Nessa linha, se conseguir um hotel com vista para o Rio del Plata, melhor ainda!

Dito isso, ficamos hospedamos no Radisson, que faz o estilo hotel grande, com mais infraestrutura, hotel de 5 estrelas.  É fora do centrinho, mas bem próximo, além de ficar bem de frente para o rio. Vimos o pôr do Sol de lá, certamente uma vista maravilhosa! O hotel é confortável, com quartos espaçosos e piscina. Assim, bom também para famílias com crianças. Por outro lado, o nosso quarto, que foi alugado como com vista para o rio, ficava na lateral da piscina e tinha uma certa distância até ele, diferente das fotos em que se “debruça na água”. Fora esse detalhe (não resolvido porque o hotel estava lotado), recomendo bastante a experiência e achei um bom custo benefício comparado com opções mais simples nos arredores.

Dentro do centro histórico, há algumas poucas opções de pousadas e hotéis boutiques, que, por sinal, eu adoro. No estilo boutique de luxo (e mais caro), o El Charco se destaca. A Posada Plaza Mayor também é uma opção nesta linha. Mas também existem pousadas um pouco mais acessíveis no casco antigo, como a Posada del Virrey, La Mision e a la Posadita de la Plaza, que parecem boas opções de onde ficar em Colônia do Sacramento. 

De qualquer maneira, fora do centrinho também existe uma diversidade de hospedagens, caso essa seja sua escolha de onde ficar em Colônia do Sacramento.

Hotel Radisson: ótima dica de onde ficar em Colônia do Sacramento
Pôr do Sol no Radisson Colonia del Sacramento, no Uruguai

ONDE COMER EM COLÔNIA DO SACRAMENTO

Pelo clima, qualquer restaurante em um cantinho aconchegante nas simpáticas praças ou às margens do Rio da Prata vale parecem uma boa opção.

Destaco o bistrô El Charco, do hotel de mesmo nome, onde jantamos no primeiro dia e lanchamos na manhã do segundo dia de viagem. Além de bonito e romântico, a comida é deliciosa, com direto a pães bem quentinhos de entrada, prato principal saboroso, assim como boas sobremesas. Fica às margens do Rio da Prata. Ainda que não seja baratinho, achei justo o valor.

Também comemos no Pulperia de los Faroles, comida razoável e localização excelente para ver a vida passar na Plaza Mayor.

Helados el cali, por sua vez, foi nossa escolha para um sorvete de doce de leite uruguaio, pois já tínhamos tomado o Freddo na Argentina.

Enfim, estes foram os lugares em que fomos. Mas, mesmo sem ter entrado, menciono o Gitana. Isso porque o clima parece muito simpático e a vista impagável para o Rio da Prata, inclusive parece ser uma boa escolha para o pôr do Sol.

Fora isso, a cidade tem vários cafés fofos como o Lentas Maravillas e Bike & Coffee, e muitos restaurantes, como o Drugstore, com uma baita decoração e o Mesón de la Plaza e o La Florida, para escolhas mais formais e sofisticadas.

OUTRAS DICAS PRÁTICAS – DOCUMENTOS E MOEDA

  • Não precisa de passaporte para viajar a Colônia, basta o RG.
  • Apesar de dólar, real e peso argentino serem bem aceitos, o câmbio não é muito favorável a essas moedas. Ou seja, tente trocar ao menos um pouco de peso uruguaio. Por fim, acabamos trocando um pouco no Buquebus porém não é a melhor taxa.
  • É um raro lugar que vale financeiramente usar cartão de crédito nos restaurantes, já que o país devolve 22% das contas pagas com cartão. P.S. A validade da lei atual vai até 30 de abril de 2020.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Nanda Gaspar

Nanda Gaspar

Ama viajar, planejar e falar sobre viagens. Incansável na busca da localização perfeita e na logística dos roteiros redondos, curte história, fotografar e conhecer a cultura local. Aproveita o período sabático em Portugal para escrever no blog, entre um parquinho com o filhote e a escolha da próxima cidade medieval, praia paradisíaca ou metrópole enérgica, para te inspirar a viajar mais e melhor.

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa Newsletter